Lixo na Baía de Guanabara Ainda Prejudica a Paisagem da Cidade

Entra ano e sai ano, promessas de despoluição de rios e lagoas são feitas para, logo em seguida serem desfeitas devido a uma crise econômica que ninguém esperava. Logo, outros temas não menos importantes entram na pauta do governo e, aquela primeira promessa é deixada de lado, se arrastando por anos. Esse é o caso da Baía de Guanabara, cuja promessa de despoluição não se estende só por anos, mas décadas. Nesse cenário, o sonho de uma cidade sustentável - como aquelas da Europa - vai ficando cada vez mais distante.

lixo na baía de guanabara
Barco retira entulhos da Baía de Guanabara (Foto: O Globo)


Leia também:


Lixo Acumulado

A imensa quantidade de lixo acumulado sobre as águas dificilmente deixa visível a água. Enquanto isso, o mau cheiro e a contaminação da baía continua. Uma injustiça com os cidadãos de bem - que pagam seus altíssimos impostos em dia - que sofrem com os inúmeros erros - propositais ou não - de um governo, por vezes corrupto. Lembrando que, nas águas onde está depositado o lixo, vivem - ou deveriam viver - uma enorme biodiversidade de peixes. A biodiversidade descreve a riqueza e a variedade do mundo natural e, muitas vezes, é esquecida sua importância para a manutenção da vida. A poluição dos ecossistemas é uma das principais ameaças à biodiversidade, podendo levar a extinção de alguns animais.




Ponto Turístico

A Baía de Guanabara se estende por vários bairros que recebem milhares de turistas todos os anos, entre eles a Ilha do Governador e a região Portuária do Rio de Janeiro. Logo que o turista sai do aeroporto, se depara com o imenso mar de lixo, mesclado com o intenso mau cheiro. Já é ai que a imagem internacional da nossa cidade já vai se estragando. Um passeio pela Zona Portuária é indispensável ao turista que visita o Rio por ser um grande centro histórico da cidade. Além disso, há muitos museus e atrações para estrangeiros na região. Porém, o lixo e o mau cheiro ainda estarão presentes na paisagem. Por se tratar de um importante ponto turístico, a ação do poder público deveria ser efetiva e constante.  O que vemos na realidade é que, apenas quando se vai realizar grandes eventos de proporções mundiais, apenas uma maquiagem é feita.


Eco barcos e Eco barreiras

A outra medida que está sendo tomada pela prefeitura, além da disponibilização dos eco barcos, é a colocação de eco barreiras na foz dos rios que desaguam na região. Tal medida impede que os resíduos sólidos da baía e dos rios se juntem. Além de evitarem a mistura dos resíduos sólidos, essas eco barreiras também são feitas de material reciclado. No caso da Baía de Guanabara, mesmo com a terrível crise econômica que assola o Estado do Rio de Janeiro, o Inea - Instituto Estadual do Meio Ambiente - disponibilizou eco barcos para a retirada dos entulhos que flutuam sobre as águas. O ideal mesmo seria tratar o problema de dentro para fora, pois o contrário seria apenas uma maquiagem. Porém, nessa altura do campeonato, qualquer ajuda é bem vinda. Isso significa que, de nada adianta retirar o lixo da superfície, enquanto que sob as águas o esgoto continuaria sendo despejado irregularmente. Qualquer ação de despoluição deveria incluir também uma política pública de saneamento básico.





Saneamento Básico

A Baía de Guanabara ainda sofre com o despejo de esgoto in natura das cidades ao seu redor. O saneamento básico é uma das infraestruturas mais importantes e que mais rapidamente trazem benefícios à sociedade. A Baía de Guanabara é circundada por alguns dos municípios mais populosos do estado do Rio de Janeiro, talvez daí venha a dificuldade de acabar de vez com a poluição da baía. Ela é a segunda do País em extensão, com aproximadamente 380 km² de superfície. Formada por cerca de 2 bilhões de m³ de água, a baía recebe dos rios que nela desaguam uma vazão média anual de 350 m³/s. Em 2012, 16% das moradias dos municípios da região ainda não tinham água tratada e a parcela das habitações com coleta de esgoto aproximava-se da marca de 58%. Expandindo os serviços de água e esgoto, reduz-se os gastos em saúde, proporcionando melhora à qualidade de vida e revitalização ao meio ambiente ao redor. O saneamento possibilita a valorização das atividades econômicas que dependem de condições ambientais adequadas, como é o caso do turismo. Nesse setor, o saneamento traria ganhos de R$1,53 bilhões em trinta anos. No vídeo abaixo, você pode ver o que acontece em uma região sem saneamento.




Postagens mais visitadas deste blog

Identificação Civil Nacional (ICN)

[Mudanças Climáticas] Delegação Brasileira Avalia a COP 22

[Sustentabilidade] Acordo de Kigali